quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

2008 / 2009

O ano de 2008

Foi um ano estranho, foi um ano triste.
Foi um ano para crescer muito, e para aprender ainda mais.

Fui ao Rio de Janeiro e a Madrid, fui pela primeira vez à Serra da Estrela.
Fui mais vezes à praia em Lisboa do que em qualquer outro ano.
Sai menos do que em qualquer outro ano. ( compensei isso nos últimos 3 meses )
Vi muitos filmes, e li muitos livros, mas não tantos como gostaria.
Amei demasiado. Demasiado mesmo.
Redescobri os mimos de muitos amigos.
Trabalhei um ano inteiro, e conheci pessoas fantásticas no trabalho, que apesar das dores de cabeça, me faz sentir uma privilegiada.
Fotografei menos do que gostaria.
Voltei a gostar de vinho e de cerveja, mas não juntos.
Continuei a adorar caipirinhas e mojitos: )
Chorei demasiado. Demasiado mesmo.
Magoei-me muito, sofri como nunca pensei sofrer, desci mais baixo do que alguma vez pensei descer.
Ouvi muitissima musica, dei muito mais concertos.
Conheci muita gente.
Dancei muito rápido, mas muito pouco.
Senti-me emocionalmente traida. A maioria das vezes por mim mesma.

Gostava que em 2009 consolidasse esta segurança em estar sozinha, espero multiplicar os bons momentos de 2008 sem fim,quero continuar a ir ao cinema todas as semanas, a descobrir musicas novas se possível dia sem dia não.
A ler livros, a ver museus, a passear muito, viajar, fazer compras e conseguir fazer a maioria das coisas que me apeteça. Sair mais à noite, dançar mais, rir mais, ir jantar fora as vezes que me apetecer, tirar o aparelho o mais depressa possível.

Sei que não vai ser um ano fácil, que falta muito ainda para me poder concentrar em mim. Mas farei o que for possível para ser feliz.



Sejam felizes também. Um óptimo 2009! *

3 comentários:

Inspirado disse...

e de certo terás um ano espectacular! eu cá não tenho dúvidas disso...

um beijo grande!
v

Alminha Mariana disse...

e 2009 vai superar tudo isso e vai ser um grande ano para ti!Beijinho gordo***

Man Next Door disse...

"Gostava que em 2009 consolidasse esta segurança em estar sozinha...".

Eu procuro o mesmo. Amen!